25 de novembro de 2011

Brincadeira ou tortura?

Quando eu estava na quinta série, surgiu uma nova onda excitantemente excitante no colégio: a pimentinha. Vocês não conhecem? POis bem. Pimentinha nada mais é do que uma brincadeira inventada por alguma mente prodigiosamente insana, deturpada e precoce. Brincadeira não. Método de tortura. Consistia em três atos simples: Caso você sentasse e não pedisse ao colega com quem você havia "colado"* a brincadeira, ele contava (em voz alta) 1,2,3,4,5,6,7,789898988787... 100000000 até você se tocar e gritar, um pouco tarde, "pimentinha"!
Aí então ele vinha com um olhar sádico e dava a mesma quantidade de petelecos que ele havia conseguido contar. Por isso se chamava pimentinha. Sua testa ficava pegando fogo e vermelha como se fosse uma pimenta. rs
Outra variação da brincadeira se chamava coxinha e por conta dela já fiquei uma semana sem poder andar direito. O desenvolvimento era quase o mesmo da "pimentinha", mas no lugar dos petelecos vinham murros na coxa, fortes, contínuos e doloridos. A grande sacada dessa "brincadeira" era que o algoz não precisava contar, era só chegar lá e esmurraçar a coxa da vítima incauta que esquecera de pedir "coxinha". Vejam vocês que refinada essa brincadeira.
Carrossel
Vocês devem estar se perguntando o por quê dessa lembrança tão peculiar. Tudo começou porque eu estava vendo um vídeo no Youtube que mostra por onde anda os meninos e meninas que fizeram a novela Carrossel (se você não assistiu, pode parar por aqui, sua vida nem mereceu ser vivida). 
Vendo aquelas imagens e ouvindo aquela dublagem, uma enxurrada de lembranças me inundou: a época em que eu assisti à novela, meu colégio, meus amigos e as brincadeiras. As lembranças foram vindo como os lenços que saem da boca do mágico: você nunca sabe qual a próxima cor que vai sair e nem quando aquilo vai terminar. 

Uma recordação puxou a outra, que trouxe outra e outra e outra...
Eu fico pensando que as crianças que vivem hoje não terão no futuro um terço das lembranças que as crianças da minha época e que hoje já são adultos tem. Tudo hoje é mico, sexo e baixaria. Das músicas aos programas assistidos. 
Lamento e muito por elas. 
Brinquei muito com Jamball, Pogobol, Comandos em ação, Rambo, He-Man, Thundercats, joguei Detetive, Jogo da Vida, banco Imobiliário, Imagem em Ação e muito Atari, Nintendinho e Super Nintendo.. 


Benji e zax
Vi filmes que marcaram a mim e a algumas gerações, A História sem Fim, O Pássaro Azul, todos do Benji, O Vôo do Navegador, E.T. 

O Vôo do Navegador










Li Meu pé de Laranja Lima, Uma Rua Como Aquela, dezenas de livros das Edições Vaga-Lume (quem lembra?). Brinquei de garrafão, dono da rua, barra barra bateu, sete pedras... Tomei banho de rio, roubei goiaba no quintal de Dona Lalita, fiz rally de bicicleta na serra e vi as mutucas atacarem meus amigos e eu passar incólume. Enfim, vivi minha infância intensamente e talvez por isso tenha tantas saudades dela. Dia desses, num dos poucos momentos em que encontro meu primo no interior, estávamos conversando e falei a respeito dessa saudade do passado, ao que ele me disse: - Gabi, o passado é uma roupa que não nos cabe mais, o que nos resta é jogá-la fora. Fiquei com aquela frase na cabeça e vi um pouco de verdade nela. Mas sinceramente? Prefiro guardar essa roupa lá no cantinho mais limpinho do meu armário, para dar uma olhadinha nela de quando em vez (como se fala lá na roça) e perceber que já fui feliz em algum momento. (não que eu também não seja agora...)

Acordei saudoso hoje, mas é assim mesmo, mais tarde tem mais.



*(colar a brincadeira  nada mais era do que você selar o compromisso com seu "amigo", usando para isso os  dedos mindinhos, hoje o pessoal faz pacto de sangue e pega aids).

Gabriel Matos

About Gabriel Matos

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :

5 Amigos Me Deram uma Luz

Write Amigos Me Deram uma Luz
Anônimo
AUTHOR
26 de novembro de 2011 23:59 delete

Conheço a brincadeira por "Mão Negra", consiste no mesmo método, mas invés de ser na testa ou na coxa, os tapas e socos eram dados nas mãos.

Reply
avatar
Doido
AUTHOR
27 de novembro de 2011 06:32 delete

Conheci O "Hoje Não" era quase a mesma coisa mais valia qualquer tipo de agreção fisica.
Sem falar no "Caixa D'agua" que vc tinha que ficar bebendo agua ate seu amigo cansar de ficar la olhando vc beber.

Reply
avatar
dick greysoon
AUTHOR
27 de novembro de 2011 09:25 delete

tic tac tic tac tic tac tic tac tic tac tic tac tic tac e o tempo passa.....

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
27 de novembro de 2011 09:54 delete

você acaba de me fazer chorar de saudades.

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
27 de novembro de 2011 15:38 delete

hahaha eu brincava de picolé...
combinava com uns 5 10 amigos, ai se vc falase uma palavra com P vc teria que gritar PICOLÈ
nao podia ter P ou começar com a letra P

ao inves de socos na mao testa ou cocha
davam murros e chute no corpo inteiro até a pessoa gritar picolé KKKKKKKKKKKKKKK era muito fodah doia um poco mais era divertido...

agora imaginem 10amigos seus na sala de aula te dando socos e chutes KKKKKKKKKKK

Reply
avatar