21 de novembro de 2007

Harry Potter


Quem me conhece e convive comigo de perto, sabe o quanto aprecio um bom livro. Leio muito e sem parar desde a mais tenra infância. Adoro os livros. Os colegas que compartilham o mesmo hábito, certamente entendem o meu amor por eles. Sou capaz de passar horas a fio em um sebo, perdido em meio aos corredores poeirentos.
   Li e ainda leio de tudo, desde autores consagrados aos mais desconhecidos e obscuros, sejam eles nacionais ou "importados".
Sou daqueles que lêem o livro com "pena" de acabar, sou daqueles que choram e se entregam aos delírios e viagens do autor, sou daqueles que tiveram uma infância solitária e lia tudo o que via pela frente, desde Adelaide Carraro, passando por Ligya Fagundes Telles a Clarice Lispector. Li a maioria das obras do excelente José Mauro de Vasconcellos, li muito e quase tudo de Stephen King e Tolkien. Li e reli muitos títulos da edição Vaga lume. Li todos da série "Os Karas" de Pedro Bandeira e, aliás, recomendo sempre aos pais que queiram que seus filhos se iniciem no prazeroso hábito da leitura.
  Quando leio um livro, me sinto transportado a um novo mundo, e automaticamente começo a fazer parte dele, quer seja como um mero espectador dos acontecimentos que se desenrolam ou mesmo como um dos personagens com quem mais me identifico.
   E foi assim que em 2001 eu fui apresentado a Harry Potter. Vejam que sorte a minha: trabalhava em uma empresa no Pólo Petroquímico, empresa essa, que incentivava a leitura e mantinha em sua área uma vasta e bem fornida Biblioteca. Ah, como me perdi naqueles corredores, eram tantos livros que eu realmente não parava de ler, lia desesperadamente, às vezes dois livros de uma vez só, no afã de ler tudo o que havia ali.     Nessa Biblioteca, as pessoas que se tornavam sócias tinham o direito de escolher um livro por mês para ser comprado e ela teria o prazer de lê-lo antes de qualquer pessoa. Então pude finalmente ler todos aqueles livros a que nunca tive acesso por serem muito caros e foi muito bom! Voltando a Harry Potter (tenho a triste mania de me perder em meus pensamentos...), via que um livro estava despertando o interesse de vários funcionários da empresa, os comentários não paravam de crescer em torno desse livro e eu me senti tentado a dar uma espiada no dito cujo. Qual não foi a minha surpresa ao descobrir que havia não apenas um, mas oito exemplares do livro na Biblioteca e que já estavam todos emprestados e com uma fila fenomenal para pegá-los quando chegassem! E surpresa maior ainda ao ver que era um livro infantil!
   Bem, meu interesse obviamente aumentou e entre cético e cauteloso, coloquei meu nome na fila de espera. Dois meses depois consegui o livro o que coincidiu com o lançamento do primeiro filme. No ônibus da empresa mesmo, na volta para casa, li grande parte dele e chegando, corri ao quarto onde terminei o restante.
   Pronto! Fui enfeitiçado pela magia do bruxinho que nos anos seguintes passou a fazer parte da minha vida.
Não me importava com as críticas de que era uma literatura "burra" e de que eu era muito velho para ler esse tipo de coisa. Bem, sempre busquei na leitura o prazer de ter minhas emoções em ebulição, e J.K. Rowling conseguiu isso. Muitas vezes me reconheci em Harry, com seus devaneios e sentimentos extremamente verossímeis e o invejei por ter amigos tão verdadeiros e leais, coisa que jamais tive. Chorei com ele e ri das situações propostas pela autora.
   Hoje terminei de ler o livro 7 e me descobri órfão e solitário. Como se tivesse me despedido de amigos muito queridos e que agora estão seguindo suas vidas sem mim. Isso não é novidade, já sofri com a partida de vários desses amigos: O Pequeno Lorde, Zezé do meu Pé de laranja Lima, com Rosinha, a canoa do José Mauro, com o Jack e o seu Talismã, com os amigos de Uma Rua como Aquela e muitos outros...
Bem, deixa eu voltar pro meu mundo real, aquele em que não posso fechar a página quando estou cansado e recomeçar em outro momento, aquele em que não posso pular momentos chatos e reviver os bons, aquele mundo em que nem sempre o bem vence o mal e nem todo final é feliz.
Adeus Harry, Hermione e Rony, Sentirei falta de vocês.

Gabriel Matos

About Gabriel Matos

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :

1 Amigos Me Deram uma Luz:

Write Amigos Me Deram uma Luz
Pietro
AUTHOR
23 de novembro de 2007 18:09 delete

Nossa. vc escreve bem pra caramba. Qdo eu crescer quero escrever que nem vc

Reply
avatar